Infinitude Blend
Tinto
2018
Lisboa
Preços
Sócio
17,10 Gfa
51,30 Cx
Não Sócio
18,00 Gfa
54,00 Cx
Vendido em cx de 3 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova

Cor rubi aberto / vermelho tijolo. Aroma a revelar boa evolução em garrafa ainda com alguma fruta e ligeiras notas de tosta. Na boca confirma a evolução num conjunto fresco com estrutura. Final persistente.

Designação Oficial: 
Regional

Temperatura de Serviço: 

14/16ºC

Teor alcoólico: 

13.00%vol

Longevidade: 

10 anos

Harmonizações: 

  • carnes e estufados com notas mais terrosas e perfumadas (cogumelos)

Situações de consumo: 

Com a refeição
Vinificação: 
Vinificação pelo processo clássico de “curtimenta”, com desengace parcial. Fermentação em depósitos inox com controlo de temperatura (26-28ºC), durante 7 dias. 15 % do lote estagiou em barricas de carvalho francês, durante 18 meses.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Merlot

Pinot Noir

Lisboa

collapse

A cultura da vinha na Idade Média, a partir do Sé. XII, desenvolveu-se consideravelmente, principalmente devido à acção de diversas Ordens Religiosas, com particular destaque para Alcobaça, onde os seguidores de S. Bernardo se instalaram no mosteiro mandado erigir pela Ordem de Cister.

O principal objectivo na altura era a elaboração de vinho para celebração das missas, tendo os vinhos da então chamada Estremadura alcançado grande consumo e prestígio, tornando-se num dos produtos de maior peso na actividade económica da região.

Identificada como uma das maiores regiões vitivinícolas do país em termos de área de vinha e de produção de vinho, a área da região de produção da Indicação Geográfica Lisboa abrange todos os concelhos da faixa atlântica a Norte do estuário do Tejo, confinando a Norte com a Beira e a Leste com o Ribatejo.

O relevo não é muito elevado, excepto a Sul, onde aparecem alguns estratos de basalto e de granito e a região assenta, na sua quase totalidade, em formações secundárias de argilo-calcários e argilo-arenosos; por sua vez, o clima é temperado, sem grandes amplitudes térmicas, com uma queda pluviométrica anual que se situa entre os 600--700 mm.

Na zona Sul da região encontram-se as zonas vitícolas de três Denominações de Origem conhecidas pela sua tradição e prestígio: são elas, caminhando de Leste para Oeste, Bucelas, Carcavelos e Colares.

Na parte central da região, encontramos as mais vastas manchas de vinha desta região, instaladas nas encostas suaves das colinas, onde para além do Vinho com Indicação Geográfica Lisboa foram reconhecidas pelas suas características de elevada qualidade as Denominações de Origem "Alenquer", "Arruda", "Torres Vedras" e "Óbidos".

Junto ao mar é de referir uma zona produtora de vinhos particularmente vocacionados para a produção de aguardentes de qualidade e que mereceram o reconhecimento da Denominação de Origem "Lourinhã".

Na zona mais a Norte, distingue-se uma vasta região de vinha que se estende desde as encostas das serras dos Candeeiros e de Aires até ao mar. Ali, produzem-se os vinhos com direito à Denominação de Origem "Encostas d'Aire" as sub-regiões desta DO, "Alcobaça" e "Ourém".

De assinalar ainda a Indicação Geográfica Lisboa para os vinhos tintos, brancos e rosados produzidos em toda a região; para além do "Vinho Leve" com características muito próprias que o tornam bastante apreciado, em especial no tempo quente, importa também referir os espumantes com IG Lisboa.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
Produzido na Quinta da Azenha (Galamares) pertença da família Osório de Vasconcelos Jardim Gonçalves, localizada no sopé Norte da Serra de Sintra, a 5 km do Oceano Atlântico e a 25 km de Lisboa. Na colheita de 2018 foram produzidas 4.320 garrafas.

Vinhos Infinitude

collapse

Desde o momento que se instalou a primeira vinha do projecto, na Quinta da Azenha, a filosofia de produção alicerçou-se na vontade de elaborar vinhos que sejam a expressão das castas e da essência deste local - Sintra. Vinhos que, há semelhança dos grandes vinhos da região, perdurem e apurem no tempo. Nasceram assim, os vinhos Infinitude, inspirados na Serra de Sintra e nos dias de neblina em que o tempo parece suspender-se. 
O clima de Sintra é muito invulgar, claramente marcado pela presença da Serra de Sintra e do Atlântico. É uma região marcada por níveis de insolação relativamente baixos no Verão e níveis altos de humidade. A região é refrescada pelos ventos Atlânticos que moderam as temperaturas médias diárias. Por isso se diz que Sintra é "o local onde o Inverno vem passar o Verão". 
As castas têm tempo para desenvolver os seus interessantes compostos aromáticos, sem que a acidez caia e o grau alcoólico potencial dispare. O projecto iniciou-se com a plantação das castas Pinot Noir e Merlot. As vinhas são geridas extensivamente com intervenções mínimas.
Mais do que todos os factores externos, o terroir sintrense marca claramente os vinhos. É um facto reconhecido por todos os apreciadores. Podemos afirmar que, aqui, os vinhos são claramente uma integração holística do Mar e da Serra.

Em 2019, Infinitude alargou os seus horizontes geográficos em direção às raízes dos Osório de Vasconcelos, em Mondim da Beira, na Beira Alta. Perto de Lamego, em plena região DOC de Távora-Varosa, em local de altitude acentuada, de média superior a 660 m. O maneio é extensivo e o modo de produção biológico. Aqui foram plantadas castas predominantemente autóctones, designadamente Touriga Nacional, Souzão (Vinhão), Tinta-Roriz (Aragonês), Códega (Síria) e Arinto, às quais acrescem as nobres Cabernet-Sauvignon e Chardonnay. Esperam-se os primeiros vinhos em 2022/23.