Novidade
Ventozelo Reserva
Tinto
2019
Douro
Preços
Sócio
7,13 Gfa
42,78 Cx
Não Sócio
7,50 Gfa
45,00 Cx
Vendido em cx de 6 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
Cor vermelho ruby. No nariz é fresco com notas de frutos vermelhos e silvestres maduros com um leve toque de baunilha. Na boca é equilibrado, redondo e bem estruturado. Final persistente.
Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

16/18ºC

Teor alcoólico: 

14.00%vol

Longevidade: 

10 a 12 anos

Harmonizações: 

  • Carnes e cozinha mediterrânea e queijos.

Situações de consumo: 

Com a refeição
Vinificação: 
Vindima manual, desengace total e escolha manual de cachos e posteriormente “bago a bago” por uma máquina de seleção ótica. Fermentação em lagar, com maceração pré-fermentativa e controlo de temperatura. Estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Sousão

Tinta Roriz

Touriga Franca

Touriga Nacional

Douro

collapse

Durante a ocupação romana já se cultivava a vinha e se fazia vinho nos vales do Alto Douro. A história da região é simultaneamente fascinante e cruel, desde os tempos imemoriais em que o Douro era sobretudo esforço e violência, que foi amansando e evoluindo, permitindo-nos desfrutar de uma das mais espantosas "paisagem cultural, evolutiva e viva" do país, actualmente reconhecida como Património Mundial pela UNESCO.

De salientar também o facto de ter sido a primeira região demarcada e regulamentada do mundo, aquando da criação pelo Marquês de Pombal, da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, em 1756.

A região, rica em microclimas como consequência da sua acidentada orografia, divide-se em três sub-regiões - Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior, produzindo-se em cada uma delas vinhos de qualidade brancos, tintos e rosados, vinhos espumantes, licorosos e ainda aguardentes de vinho com especificidades próprias.

Da globalidade do volume de vinho produzido na Região Demarcada do Douro, cerca de 50% é destinada à produção de "Vinho do Porto", enquanto que o restante volume é destinado à produção de vinhos de grande qualidade que utilizam a denominação de origem controlada "Douro" ou "Vinho do Douro".

Merece também destaque o Vinho Regional Duriense cuja região de produção é coincidente com a Região Demarcada do Douro.

Fonte: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
2019 pode considerar-se um ano vitícola seco no Douro. Um ano com inverno e a primavera secos, com ocorrência de precipitação elevada durante apenas o mês de Abril, e pontual no período de vindima. Apesar das vinhas mostrarem necessidade de água para assegurar as maturações, as temperaturas mais moderadas no verão, contribuíram para maturações graduais. A colheita proporcionou mostos de com excelente equilíbrio entre açúcar e acidez, e muito interessantes do ponto de vista fenólico.

Quinta de Ventozelo

collapse

Das mais antigas e enigmáticas Quintas do Douro, a Quinta de Ventozelo é mais do que um lugar cheio de História. É um santuário natural que oferece uma experiência única em todos os sentidos. No passado as suas terras foram cultivada pelos Monges de Cister, com registos já desde 1288. Mas é em 1500 que os Fidalgos da Quinta do Poço a adquiriram e a fundaram como Quinta. Ao longo dos anos, diferentes mãos foram moldando estas terras. Passaram da cultura cerealífera à vinha, mantendo as hortícolas e a extensa mata mediterrânica que cobre as suas encostas.

Situada na margem esquerda do Douro, ao chegar a Ervedosa, a Quinta de Ventozelo é das mais bonitas e impressionantes da região. Este vasto anfiteatro sobre o rio são “as portas do silêncio do Douro”, onde o tempo parece correr mais devagar. A tranquilidade e a ligação plena à Natureza são o valor intangível principal desta Quinta.

As condições excecionais de solo e clima de Ventozelo propiciam uma vitivinicultura de excelência. De entre todas as espécies e culturas que aqui coabitam, esta é a que predomina. Os cerca de 200 hectares, com mais de um milhão de videiras plantadas, estendem-se desde a margem do Douro, a cerca de 130 metros, até ao alto da quinta, acima dos 500 metros, onde as uvas atingem notável frescura. O objetivo da equipa técnica é potenciar a diferenciação e a excelência desta terra, a partir da sua diversidade de altitudes, exposições, idade das vinhas, densidade de plantação, variedade de castas e sistemas de condução. Compreender esta complexidade e adaptar as melhores práticas vitícolas para obter vinhos únicos, é um desafio aliciante. Cada vinho de Ventozelo preserva a essência deste lugar, sempre com a elegância e equilíbrio dos grandes vinhos do Douro.

 

Em 2014 esta Quinta passa a pertencer à Gran Cruz Porto, a maior empresa exportadora de Vinho do Porto a nível mundial, que já vinificava as suas uvas desde 2011. Num envolvimento total com este lugar e o seu terroir, todo o trabalho desenvolvido pelo grupo tem como principal foco privilegiar e preservar a sua simplicidade e autenticidade. O desafio a que se propõe passa por afirmar o prestígio e notoriedade da marca Ventozelo, fugindo à rotina e explorando novos caminhos que cruzam tradição e modernidade.