Premiado
Selecção Fórum
Porto Alves de Sousa Vintage
Generoso
2015
Porto
Preços
Sócio
52,25 Gfa
52,25 Cx
Não Sócio
55,00 Gfa
55,00 Cx
Vendido em cx de 1 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
  • Prémios

Cor rubi opaca. Aroma potente, muito intenso, frutado com notas de menta, frutos negros e especiarias. Na boca mostra-se com boa estrutura e complexidade. Intenso e envolvente com doces notas de frutos negros. Final longo e persistente.

Medalha de Ouro

Fórum de Enólogos

Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

14ºC

Teor alcoólico: 

19.50%vol

Longevidade: 

20 Anos

Harmonizações: 

  • Sobremesas à base de chocolate |
  • Queijos Fortes

Situações de consumo: 

Sobremesas
Sozinho
Observações de consumo: 
Aconselha-se o consumo no próprio dia, não devendo ultrapassar os 3 dias. Deve ser decantado 30 minutos antes de ser servido.
Vinificação: 
Colheita manual. Fermentação durante 3 a 4 dias. Fortificado naturalmente com aguardente vínica (77% vol). Estágio de 2 anos.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Alicante Bouschet

Sousão

Touriga Franca

Touriga Nacional

Porto

collapse

O "Vinho do Porto" distingue-se dos vinhos comuns pelas suas características particulares: uma enorme diversidade de tipos em que surpreende uma riqueza e intensidade de aromas incomparáveis e uma persistência muito elevada, quer de aromas, quer de sabor, para além de um teor alcoólico elevado (geralmente entre os 19 e os 22% vol.), numa vasta gama de "doçuras" e grande diversidade de cores.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
O primeiro Porto Vintage a receber o nome da família Alves de Sousa reúne uvas das suas melhores vinhas, compondo um vinho com um grande carácter, capacidade de guarda e com o toque sempre pessoal de Alves de Sousa. 12 Hectares de vinhas integralmente de Letra A, a melhor das classificações atribuídas para a produção de Vinho do Porto, localizadas precisamente no “coração” da região, com uma apetência natural e histórica para grandes vinhos do Porto. O casamento das condições extremas e do vigor da Oliveirinha com a frescura e a elegância conseguidas na Gaivosa foi mais que natural. Foi perfeito.

Alves de Sousa

collapse

A produção de vinhos é uma tradição familiar para Domingos Alves de Sousa: o seu pai (Edmundo Alves de Sousa) e avô (Domingos Alves de Sousa) tinham já sido vitivinicultores do Douro. Mas Domingos Alves de Sousa abraçou a princípio uma outra carreira. Tendo-se licenciado em Engenharia Civil, não resistiu porém ao duplo apelo (da terra e do sangue), e abandonou a sua actividade em 1987 para se dedicar em exclusivo à exploração das quintas que lhe couberam em herança e a outras que posteriormente adquiriu, nas quais tem vindo a executar um trabalho modelar de emparcelamento e de reestruturação das vinhas. A evolução da sua actividade vitivinícola reveste-se de aspectos interessantes, quase paradigmáticos e merece um pouco de história.

Durante muito tempo foi fornecedor das conhecidas e prestigiadas companhias Casa Ferreirinha e Sociedade dos Vinhos Borges. Mas os problemas que afectaram o sector nos finais da década de 80, que tiveram como consequência um aumento exagerado dos custos de produção, e em especial a catastrófica colheita de 1988, levaram-no a questionar a rentabilidade das suas explorações.

E foi esse questionar o ponto de viragem.

Tal como muitos outros viticultores durienses, afectados pela recessão em que a Região Demarcada se debatia, voltou-se para a valorização das "sobras" do Vinho do Porto, ou seja, o vinho de pasto do Douro, até então tradicionalmente subalternizado em relação ao vinho generoso.

Claro que esta mudança radical de atitude exigia mais do que simples boa vontade e desejo de vencer: exigia formação técnica e profissional. Frequentou assim cursos de viticultura e enologia em Portugal e França (Bordéus) e, munido desse lastro e reunindo uma equipa devidamente qualificada, lançou mãos à obra na reestruturação das suas vinhas decidido a trilhar o seu próprio caminho de produtor-engarrafador, construindo na sua Quinta da Gaivosa a adega onde daí em diante vinificaria a produção das uvas provenientes das suas 5 Quintas.

Efectuadas algumas experiências com diversas castas, seleccionou as que se revelaram mais aptas a produzir os melhores vinhos de Denominação de Origem Douro, e com elas produziu e lançou no mercado, em meados de 1992, aquele que seria o seu primeiro vinho: o Quinta do Vale da Raposa branco 1991, que desde logo cativou os apreciadores e mereceu as melhores referências. Era o início de um percurso recheado de sucessos que se arrastou até aos dias de hoje, e de que amanhã concerteza ainda iremos ouvir falar.

A qualidade do seus vinhos tem vindo desde então a ser reconhecida através de distinções e referências em revistas da especialidade, destacando-se a atribuição do prémio "Produtor do ano" em 1999 pela prestigiada Revista de Vinhos.