Premiado
Dalva Moscatel do Douro
Generoso
2009
Douro
Preços
Sócio
15,20 Gfa
30,40 Cx
Não Sócio
16,00 Gfa
32,00 Cx
Vendido em cx de 2 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
  • Prémios

Cor âmbar dourado. Aroma intenso e complexo com belas notas de frutos secos, uva passa, casca de laranja, mel e um toque de alfazema. Na boca é rico, muito elegante e equilibrado com uma boa acidez a dar frescura num conjunto com citrinos, menta e especiarias. Final muito longo.

Medalha de Ouro – MundusVini Setembro 2019

Medalha de Ouro – Fórum de Enólogos Novembro 2019

Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

8/10ºC

Teor alcoólico: 

17.00%vol

Longevidade: 

15 a 20 anos

Harmonizações: 

  • Sobremesas de fruta |
  • Gelados.

Situações de consumo: 

Aperitivo
Entradas
Sobremesas
Vinificação: 
Vinifcação de uvas da casta Moscatel, provenientes de vinhas situadas a cerca de 500 metros de altitude no planalto de Alijó. Estágio de cerca de 10 anos em cascos muito antigos de carvalho.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Moscatel Galego Branco

Douro

collapse

Durante a ocupação romana já se cultivava a vinha e se fazia vinho nos vales do Alto Douro. A história da região é simultaneamente fascinante e cruel, desde os tempos imemoriais em que o Douro era sobretudo esforço e violência, que foi amansando e evoluindo, permitindo-nos desfrutar de uma das mais espantosas "paisagem cultural, evolutiva e viva" do país, actualmente reconhecida como Património Mundial pela UNESCO.

De salientar também o facto de ter sido a primeira região demarcada e regulamentada do mundo, aquando da criação pelo Marquês de Pombal, da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, em 1756.

A região, rica em microclimas como consequência da sua acidentada orografia, divide-se em três sub-regiões - Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior, produzindo-se em cada uma delas vinhos de qualidade brancos, tintos e rosados, vinhos espumantes, licorosos e ainda aguardentes de vinho com especificidades próprias.

Da globalidade do volume de vinho produzido na Região Demarcada do Douro, cerca de 50% é destinada à produção de "Vinho do Porto", enquanto que o restante volume é destinado à produção de vinhos de grande qualidade que utilizam a denominação de origem controlada "Douro" ou "Vinho do Douro".

Merece também destaque o Vinho Regional Duriense cuja região de produção é coincidente com a Região Demarcada do Douro.

Fonte: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
2009 foi um ano seco, fornecendo pouca reserva de água às plantas. Ano de temperaturas moderadas, exceto as elevadas amplitudes térmicas sentidas em Maio e Junho. A foração teve início mais cedo do que o habitual no Douro, e as temperaturas uniformes permitiram uma lenta maturação até ao momento da vindima

C. da Silva

collapse

Em 1933, tendo recentemente chegado da sua estadia no Brasil, o jovem empreendedor português Clemente da Silva realizou o sonho de uma vida, o de criar uma casa de vinhos de excelência, que estava destinada a trazer-lhe sucesso além-fronteiras. Com a aquisição da Corrêa Ribeiro e Filhos,  fundada em 1863 e portadora da chancela de antiga fornecedora da Casa Real, fundou a C. da Silva.

Esta casa assistiu desde cedo a um processo de expansão em todas as suas vertentes, merecendo elevado reconhecimento internacional que lhe assegurou um notável crescimento em exportação para inúmeros países e continentes. O leque de produtos vendidos passava, não só por vinho do Porto, mas também por brandy, espumantes naturais e vinhos tranquilos, o que só por si reflete o espírito visionário e diligente para um jovem empresário da altura. Em 2007, a C. da Silva foi adquirida pelo grupo Gran Cruz e desde o princípio que a preocupação do grupo tem sido de criar sinergias no sentido de manter este espírito empreendedor de Clemente da Silva, valorizando o seu legado e fazendo-o crescer.

As vinhas do Douro encontram uma expressão pura e única nos vinhos da C. da Silva, desde os socalcos até à adega em Alijó equipada com tecnologia de vinificação de ponta. Apesar de as uvas serem transformadas no Douro, é nas caves em Vila Nova de Gaia que os vinhos envelhecem e onde ganham os seus próprios traços e a sua personalidade. Estas características únicas dependem, não só do tempo, mas também, do processo de envelhecimento que é definido para cada vinho.
Combinando os saberes ancestrais na arte do vinho com a última tecnologia disponível, com muita paciência e dedicação, o valor inestimável destes vinhos é cuidadosamente preservado e a cada ano se transforma. O resultado final é uma gama de vinhos elegantes e distintos, cada um com a sua própria personalidade, criados com o propósito de materializar o melhor da região e levá-lo até à sua mesa.