Destaque
Comtes Champagne Blanc de Blancs
Espumante
2005
Resto do Mundo
Preços
Sócio
123,50 Gfa
123,50 Cx
Não Sócio
130,00 Gfa
130,00 Cx
Vendido em cx de 1 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
  • Prémios

Cor amarelo pálido. Bolha fina e cordão persistente. Aroma intenso, notas florais, de frutos tropicais maduros e um belo tostado. Na boca é vibrante e estruturado confirmando as notas frutadas. Final longo e complexo.

Medalha de Prata

International Wine Challenge 2014

Temperatura de Serviço: 

6/8ºC

Teor alcoólico: 

12.50%vol

Longevidade: 

3 a 4 anos após dégorgement

Situações de consumo: 

Aperitivo
Com a refeição
Entradas
Sozinho
Observações de consumo: 
beber sozinho, ou como aperitivo ou acompanhando entradas e pratos de marisco ou peixes.
Vinificação: 
Método tradicional champanhês, primeira fermentação em barricas, segunda fermentação em garrafa. Somente o vinho da primeira prensa é utilizado. 5% dos vinhos, que entram na sua composição, envelheceram 4 meses em barris de carvalho novos Estágio de 10 anos em garrafa antes do dégorgement.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Chardonnay

Resto do Mundo

collapse
Observações dos produtores acerca deste vinho: 
O ano de 2005 foi, o seu todo, quente e seco. Após um inverno rigoroso mas pouco chuvoso, a primavera foi muito amena. A floração deu-se entre 15 a 19 de junho. Depois de um período de chuvas concentradas o calor de julho e o tempo fresco de agosto dominaram. A vindima, que iniciou foi feita em clima ameno e húmido com o vento a permitir uma colheita saudável e abundante. Elaborado nas adegas da antiga abadia de Saint-Nicaise, em Reims (século XIII), este Champagne Blanc de Blancs tem um tratamento muito cuidadoso, sendo apenas feito quando as condições necessárias, que caracterizam sua raridade, forem alcançadas. O champanhe Comtes de Champagne Blanc de Blancs é feito 100% com a casta Chardonnay das melhores vinhas da prestigiosa Côte dês Blancs. Somente o vinho da primeira prensa – a “Cuvée”- garantia absoluta de leveza, é utilizado. 5% dos vinhos, que entram na sua composição, envelheceram 4 meses em barris de carvalho novos, ressaltando deste modo as qualidades intrínsecas do conjunto final. Somente após um lento e paciente envelhecimento de cerca 10 anos, nas minas de giz de Saint-Nicaise, que este excecional champanhe deixa as adegas.

Champagne Taittinger

collapse

Em 1734, Jacques Fourneaux estabeleceu um negócio de vinhos em Champagne e trabalhou em estreita colaboração com as abadias beneditinas que, na época, possuíam as melhores vinhas da região. Após a Primeira Guerra Mundial, a vinícola foi transferida para uma grande mansão na Rue de Tambour, na qual Theobald I de Navarra (1201-1253) havia morado. Uma lenda de longa data sustentava que foi ele quem trouxe a uva Chardonnay do Chipre ao voltar de uma cruzada na Idade Média (isto já foi refutado pela análise genética feita na Universidade da Califórnia).
Os Taittingers eram uma família de comerciantes de vinho que, em 1870, se mudaram para a região de Paris a partir de Lorena, a fim de manter sua cidadania francesa após a Guerra Franco-Prussiana e o Tratado de Frankfurt (1871).
Em 1932, Pierre Taittinger comprou o Château de la Marquetterie do produtor Forest-Fourneaux. Este castelo foi usado como posto de comando durante a Primeira Guerra Mundial e Pierre Taittinger foi aí colocado depois de sofrer um ataque cardíaco durante o combate. As vinhas do castelo estam plantadas com Chardonnay e Pinot Noir desde o século XVIII. Esta propriedade tinha sido desenvolvida pelo irmão Jean Oudart, um monge beneditino, um dos pais fundadores do champanhe, e mais tarde pertenceu ao escritor Jacques Cazotte.
De 1945 a 1960, o negócio foi gerido pelo terceiro filho de Pierre, François. Sob sua direção, as caves Taittinger foram colocadas na Abadia de Saint-Nicaise, construída no século XIII em poços de giz galo-romanos que datam do século IV. Após a morte de François num acidente, seu irmão Claude assumiu e dirigiu o negócio de 1960 a 2005. Foi durante esse período que Taittinger se tornou uma casa de champanhe de renome mundial.
O Champagne Taittinger foi vendido em julho de 2005 pela família Taittinger, juntamente com sua subsidiária, Société du Louvre, para a empresa de investimentos privados dos EUA Starwood Capital Group. As pessoas que estavam no ramo (casas de champanhe, produtores de vinho, cooperativas, distribuidores e clientes) afirmaram que atingir os objetivos de rentabilidade a curto prazo, ou mesmo a médio prazo, a qualquer preço (preconizados pelos atuais gestores da empresa) não eram compatíveis com a produção de champanhe de qualidade. O Champagne de qualidade, diziam, leva tempo, confiança e uma grande delegação de autoridade nas pessoas que trabalham na adega. Além disso, a chegada de investidores completamente estranhos à cultura do champanhe podia resultar na destruição do equilíbrio que existia na indústria do champagne.
Finalmente, em 31 de Maio de 2006, o Banco Regional Nordeste do Crédit Agricole, em colaboração com Pierre-Emmanuel Taittinger, comprou o negócio de volta por 660 milhões de euros. A área abrange 288,84 hectares de vinhedos e possui 12 a 13 milhões de garrafas em stock. O Château de la Marquetterie e suas adegas faziam parte da compra. O grupo Starwood manteve alguns dos hotéis, incluindo os hotéis de luxo Crillon, Lutetia e Martinez, e as redes de hotéis Campanile e Kyriad.
Claude Taittinger reformou-se em 2006 e seu sobrinho Pierre-Emmanuel Taittinger substituiu-o como chefe do negócio.
Em 2017 a Taittinger tornou-se a primeira casa de champanhe a plantar vinhas no Reino Unido. A Champagne Taittinger entrou numa joint venture com a Hatch Mansfield e, em 2015, comprou terras em Chilham, Kent, para plantar 40 hectares de vinha nos três anos seguintes.
A 1 de Janeiro de 2020, Vitalie Taittinger tornou-se presidente da Taittinger.