Novidade
Beyra Reserva Quartz
Branco
2019
Beiras
Preços
Sócio
8,55 Gfa
51,30 Cx
Não Sócio
9,00 Gfa
54,00 Cx
Vendido em cx de 6 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
Cor amarelo citrino. Aroma limpo, jovem mas com complexidade. Notas frutadas (fruta branca e citrinos), com alguma mineralidade e um toque fumado. Na boca é equilibrado, vivo e intenso com bom volume e boa acidez. Final agradável.
Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

10/12ºC

Teor alcoólico: 

13.00%vol

Longevidade: 

3 a 4 anos

Harmonizações: 

  • Marisco |
  • Peixes Gordos |
  • Queijos de ovelha curados.

Situações de consumo: 

Com a refeição
Vinificação: 
Vindima manual. Desengace total e esmagamento. Fermentação com leveduras selecionadas a temperaturas controladas. Estágio em inox durante 6 meses.
  • Castas
  • Região
  • Produtor

Fonte Cal

Síria

Beiras

collapse

A região vitivinícola das Beiras ocupa toda a faixa central do território português; estende-se, no sentido longitudinal, desde o Oceano Atlântico até Espanha, fazendo fronteira a norte com as indicações geográficas Minho e Duriense e a sul com as indicações geográficas Lisboa, Tejo e Alentejano, razão pela qual, apresenta uma grande diversidade de condições edafoclimáticas.

Factores como a maior ou menor proximidade do oceano Atlântico, a influência dos vários acidentes orográficos ou ainda, as diferenças de solos existentes, contribuem para que os vinhos produzidos nesta região apresentem características bem diferenciadas, o que justifica o reconhecimento de três sub-regiões para a produção do vinho regional: "Beira Litoral", "Beira Alta" e "Terras de Sicó".

Oriundo de um território mais vasto do que a globalidade das áreas das denominações de origem Bairrada, Beira Interior, Dão, Lafões e Távora-Varosa que coexistem nesse mesmo espaço, os vinhos com indicação geográfica ou vinhos regionais Beiras resultam, não só dessa maior vastidão territorial, como de uma maior liberdade na vinificação, como por exemplo, de um maior número de castas ao dispor ou do teor alcoólico mínimo permitido.

Nas sub-regiões da Beira Litoral e Terras de Sicó predominam a casta branca Fernão-Pires (aqui designada por "Maria-Gomes") e a casta tinta Baga; na sub-região da Beira Alta, predominam nas brancas, a Bical, Encruzado e Malvasia-Fina e nas tintas, Alfrocheiro, Jaen, Tinta-Roriz e Touriga-Nacional; por sua vez, na região de Lafões, predominam nas brancas o Arinto, Cercial e Rabo-de-Ovelha e nas tintas Amaral e Jaen enquanto que na região de Távora-Varosa, para além da Malvasia-Fina, Cercial, Gouveio e Chardonnay em brancas, também a Tinta-Barroca, Touriga-Francesa, Touriga-Nacional, Tinta-Roriz e Pinot-Noir nas tintas .

Por ser uma região de grandes contrastes, existem motivos de escolha praticamente intermináveis que fazem desta região das Beiras uma das regiões com mais possibilidades de turismo para todos os gostos, desde as praias ensolaradas à neve, das planícies às montanhas, dos locais a transbordar de história à natureza bruta, quase intocada, sem esquecer as calmas águas das termas medicinais e os desportos radicais, onde todos poderão encontrar pontos de interesse insuperáveis nesta região.

 

Fonte: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
A alma deste vinho está na combinação única entre uvas das castas Síria e Fonte Cal, de vinhas plantadas exclusivamente em solos graníticos com filões de quartzo, na bacia hidrográfica do rio Douro a uma altitude média de 725 metros.