Novidade
Destaque
Niepoort Charme
Tinto
2013
Douro
Preços
Sócio
50,83 Gfa
50,83 Cx
Não Sócio
53,50 Gfa
53,50 Cx
Vendido em cx de 1 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
Cor vermelha brilhante. Aroma complexo reminiscente de folhas de chá, um carácter suave de terra e uma sugestão de cerejas. Na boca, embora delicado e elegante, tem subjacente uma estrutura assertiva muito prolongada, mineralidade e frescura, juntamente com a madeira bem integrada, resultando num final harmonioso com taninos suaves.
Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

16 a 18ºC

Teor alcoólico: 

13.50%vol

Longevidade: 

10 a 12 anos

Harmonizações: 

  • Cogumelos e pratos de caça |
  • perdiz ou faisão.

Situações de consumo: 

Com a refeição
Vinificação: 
As uvas foram suavemente esmagadas com 100% de engaço em lagares de granito, onde foram pisadas a pé. O mais importante nesta vinificação é a duração da maceração pré-fermentativa e início de fermentação alcoólica, onde a extracção é muito rigorosa. O Charme fermenta inicialmente em lagar, seguindo depois para barrica, onde termina a fermentação. O processo fica concluído com a trasfega e o envelhecimento em barricas de carvalho francês durante 15 a 19 meses.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Tinta Roriz

Touriga Franca

Vinhas Velhas - Tintas

Douro

collapse

Durante a ocupação romana já se cultivava a vinha e se fazia vinho nos vales do Alto Douro. A história da região é simultaneamente fascinante e cruel, desde os tempos imemoriais em que o Douro era sobretudo esforço e violência, que foi amansando e evoluindo, permitindo-nos desfrutar de uma das mais espantosas "paisagem cultural, evolutiva e viva" do país, actualmente reconhecida como Património Mundial pela UNESCO.

De salientar também o facto de ter sido a primeira região demarcada e regulamentada do mundo, aquando da criação pelo Marquês de Pombal, da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, em 1756.

A região, rica em microclimas como consequência da sua acidentada orografia, divide-se em três sub-regiões - Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior, produzindo-se em cada uma delas vinhos de qualidade brancos, tintos e rosados, vinhos espumantes, licorosos e ainda aguardentes de vinho com especificidades próprias.

Da globalidade do volume de vinho produzido na Região Demarcada do Douro, cerca de 50% é destinada à produção de "Vinho do Porto", enquanto que o restante volume é destinado à produção de vinhos de grande qualidade que utilizam a denominação de origem controlada "Douro" ou "Vinho do Douro".

Merece também destaque o Vinho Regional Duriense cuja região de produção é coincidente com a Região Demarcada do Douro.

Fonte: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
O Charme é um vinho raro do Douro. A sua elegância e complexidade, os seus taninos envolventes, macios e maduros são uma forma única de expressar as vinhas muito antigas, as mais frescas e abrigadas de Vale de Mendiz, em pleno vale do rio Pinhão. Dirk Niepoort tem no Charme a sua derradeira interpretação e denunciada paixão pela região da Borgonha. Um vinho de assinatura, um vinho ímpar. O Charme é o único vinho tranquilo produzido na adega de Vale de Mendiz, nos históricos lagares redondos de granito.

Niepoort Vinhos

collapse

A missão da Niepoort é manter o seu posicionamento de “niche player”, dando continuidade à produção de distintos Vinhos do Porto e Vinhos do Douro, conjugando a tradição secular com a inovação.

Observações:
O Porto Vintage mantém a tradição da Niepoort de criar Portos equilibrados, com grande concentração sendo simultaneamente finos e delicados. Na Niepoort acreditamos que conseguimos produzir um Porto Vintage com capacidade para durar décadas.