Antónia Adelaide Ferreira
Tinto
2013
Douro
Preços
Sócio
52,25 Gfa
52,25 Cx
Não Sócio
55,00 Gfa
55,00 Cx
Vendido em cx de 1 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
  • Prémios

Cor rubi profunda. Aroma intenso e complexo com aromas de frutos pretos e vermelhos maduros, notas de resina e especiarias e um ligeiro mineral. Madeira muito bem integrada. A boca confirma os aromas. Envolvente com boa acidez e estrutura, taninos redondos. Final prolongado.

18 pontos - Revista Vinhos Grandes Escolhas

18 pontos - Revista Vinhos Grandes Escolhas

Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

16/18ºC

Teor alcoólico: 

14.00%vol

Longevidade: 

20 Anos

Harmonizações: 

  • Carnes de qualidade |
  • Caça |
  • Queijos intensos.

Situações de consumo: 

Com a refeição
Observações de consumo: 
Agradece decantação. Este vinho foi engarrafado sem tratamento pelo que irá formar um ligeiro depósito com o passar dos anos.
Vinificação: 
Vindima manual, suave esmagamento e desengace total, fermentação com controlo de temperatura em cubas inox com remontagens e pisa por robot. Longa maceração. Estágio de 24 meses em barricas novas de carvalho francês.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Sousão

Touriga Franca

Touriga Nacional

Vinhas Velhas - Tintas

Douro

collapse

Durante a ocupação romana já se cultivava a vinha e se fazia vinho nos vales do Alto Douro. A história da região é simultaneamente fascinante e cruel, desde os tempos imemoriais em que o Douro era sobretudo esforço e violência, que foi amansando e evoluindo, permitindo-nos desfrutar de uma das mais espantosas "paisagem cultural, evolutiva e viva" do país, actualmente reconhecida como Património Mundial pela UNESCO.

De salientar também o facto de ter sido a primeira região demarcada e regulamentada do mundo, aquando da criação pelo Marquês de Pombal, da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, em 1756.

A região, rica em microclimas como consequência da sua acidentada orografia, divide-se em três sub-regiões - Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior, produzindo-se em cada uma delas vinhos de qualidade brancos, tintos e rosados, vinhos espumantes, licorosos e ainda aguardentes de vinho com especificidades próprias.

Da globalidade do volume de vinho produzido na Região Demarcada do Douro, cerca de 50% é destinada à produção de "Vinho do Porto", enquanto que o restante volume é destinado à produção de vinhos de grande qualidade que utilizam a denominação de origem controlada "Douro" ou "Vinho do Douro".

Merece também destaque o Vinho Regional Duriense cuja região de produção é coincidente com a Região Demarcada do Douro.

Fonte: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P.

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
Uma especialidade da Casa Ferreirinha que celebra todo o contributo de D. Antónia Adelaide Ferreira ao vinho e à Região do Douro. Uma edição limitada que merece ser saboreada com calma deixando sobressair o seu aroma de grande intensidade e excelente complexidade. Vinificado nas adegas da Leda e do Seixo, é o resultado cuidado de uma selecção de várias castas do Douro, sendo parte proveniente de Vinhas Velhas. Estagia em barricas novas de madeira de carvalho Francês durante cerca de 2 anos. Um vinho especial, pronto a saborear, mas com uma excelente capacidade de envelhecimento em garrafa. Esta deve ser mantida na horizontal, em local fresco e seco, ao abrigo da luz. Servir entre 16-18ºC. No sentido de preservar a sua mais alta qualidade, este vinho foi engarrafado sem tratamento pelo frio podendo formar um ligeiro depósito. Deve ser decantado.

Sogrape Vinhos

collapse

Conta-se que a ideia nasceu num jantar de amigos, no Verão de 1942, altura em que Fernando van Zeller Guedes decidiu aceitar o desafio arriscado de lançar e dirigir uma nova empresa de vinhos. Nascida com uma visão marcada pela sua forte personalidade, a Sogrape é hoje liderada pela terceira geração da família fundadora e detém mais de 1200 hectares de área de vinha nas principais regiões vitivinícolas portuguesas, na Argentina, na Nova Zelândia e no Chile. Contar a história da Sogrape é, acima de tudo, recordar as realizações dos homens que a criaram e fizeram crescer, que idealizaram, produziram e divulgaram os bens que a tornaram conhecida e que, com coesão, asseguram a sua continuidade.

Com a ambição de dar a conhecer ao mundo os vinhos portugueses, a Sogrape nasceu com um posicionamento singular para o mercado vitivinícola da época: uma visão de longo prazo, assente na qualidade dos vinhos a comercializar, na importância da novidade das marcas e na apresentação dos seus vinhos. A garrafa bojuda e diferente que Fernando van Zeller Guedes idealizou para o Mateus, inspirada no cantil dos soldados da I Guerra Mundial, é, aliás, um dos exemplos claros dessa determinação.

Em 1944, no Brasil, foi encontrado o primeiro agente distribuidor de vinhos Sogrape no estrangeiro, contudo, no final da década de 40, o sucesso da Sogrape no mercado brasileiro esbarrava com a situação de profunda crise comercial.
Para compensar as quebras, a Sogrape passou a apostar na venda de vinhos para as colónias portuguesas de África, especialmente Angola e Moçambique.
Até ao triunfo do Mateus Rosé em Inglaterra, na segunda metade da década de 50, o mercado africano revelou-se providencial. Fernando van Zeller Guedes sabia que, no sector dos vinhos, Inglaterra era, como ele próprio gostava de dizer, a “Montra do Mundo”: quem “conquistasse” o gosto inglês, conquistava o mercado internacional.
Entretanto, a popularidade alcançada no Reino Unido só encontraria paralelo nos Estados Unidos da América, através do negociante de bebidas Richard Dreyfus, da Dreyfus, Ashby & Co.
A Sogrape viu a oportunidade de diversificar o seu portfólio, assim, durante no final da década de 50, a empresa fazia os primeiros investimentos na futura Região Demarcada do Dão.

Em 1960, a Sogrape comprava a Quinta de Cavernelho, na freguesia de Mateus, em Vila Real, onde dois anos depois começava a laborar o seu primeiro centro de vinificação.
Sob a direcção de Fernando Guedes foram construidas as modernas instalações de Avintes em 1967.
Nos anos 70 a Sogrape dispunha já de instalações próprias no Douro, em Avintes, no Dão e na Bairrada.

Na história da Sogrape, a década de 80 constituiu o período de maior transformação desde a sua fundação. Dir-se-ia que renasceu nesses anos, numa adaptação rápida às mudanças que se sucediam, quer ao nível interno quer ao nível externo. Convergiam, então, a um ritmo vertiginoso, factores decisivos de transição no tempo familiar, no tempo histórico e no tempo da empresa.
Presidente natural e incontestável da empresa, Fernando van Zeller Guedes sabia que a Sogrape só poderia sobreviver se mudasse. Para isso, confiava inteiramente nas decisões de seu filho Fernando, o melhor defensor da continuidade da Sogrape, que a partir de 1980 passou também a contar com o seu filho mais velho, neto do fundador, Salvador Cunha Guedes, nos quadros da empresa.

Em 1981 a nova Administração da Sogrape, composta por Fernando van Zeller Guedes, Bernardino Joaquim do Carmo, Fernando Guedes, José Augusto Malheiro Barbosa da Silva Domingues e Gastão Lopes Correia da Silva, encetava um processo de transformação da empresa.
O mercado mundial de vinhos sofria mas a Sogrape encontrava no Extremo Oriente um período de expansão para Mateus, e em 1983 iniciava-se a sua comercialização na República Popular da China.
Em 1982, a Sogrape adquiria o Solar e Quinta de Azevedo, na Região dos Vinhos Verdes, criando marcas de sucesso como é o caso de Gazela (1984) e Quinta de Azevedo (1990).
Em 1987, adquiriu a A.A. Ferreira SA (Douro) e tomava posse de diversas propriedades emblemáticas, entre as quais a Quinta do Porto, Quinta do Seixo e Quinta da Leda.
Mas mais do que o Douro, este alargamento significava também a entrada da Sogrape no mercado dos brandies, com a marca Constantino (firma pertencente à Ferreira).
Na Região da Bairrada se realizavam importantes investimentos que permitiram o lançamento de novos vinhos de mesa com a marca Terra Franca em 1989.
Também em 1989, a aquisição da Quinta dos Carvalhais, quer pelo moderno centro de vinificação quer pelo plantio de novas vinhas com castas nobres regionais, revolucionou a história da vitivinicultura do Dão.

Em 1990, com um expressivo portfolio de vinhos, bem representativos da qualidade e diversidade da vitivinicultura portuguesa, a Sogrape exportava para cerca de 125 países, rondando um volume de vendas na ordem dos 30 milhões de litros (cerca de 40 milhões de garrafas).
Em 1991 dá-se a compra da Herdade do Peso no Alentejo e lançamento do Vinha do Monte. Mais tarde, após plantações de novas vinhas, serão lançados os vinhos Herdade do Peso.
Em finais de 1995 a Sogrape aumentava a sua liderança no mercado interno de Vinho do Porto, com a aquisição da Forrester & Cª, SA, detentora da marca Offley, e celebrava um acordo de distribuição com o grupo internacional Bacardi/Martini.
Em 1997 a Sogrape entrava no Novo Mundo através da aquisição da Finca Flichman, em Mendoza, na Argentina.

Em 2000, através da aquisição do agente distribuidor Evaton, Inc., a Sogrape assegurava, de novo, a presença directa no mercado americano.
Também em 2000, Fernando Guedes reformava-se e entregava a liderança da empresa ao seu filho mais velho, Salvador da Cunha Guedes que com os seus irmãos Manuel Pedro e Fernando articulam com êxito e à semelhança das gerações anteriores, a tradição e a identidade da empresa com os novos desafios da modernidade e da globalização.
Em 2002, a Sogrape reforçava a sua posição de grande operador internacional ao adquirir a totalidade dos activos da Sandeman e ao firmar uma parceira com a Pernod Ricard para a distribuição mundial dos vinhos da marca.
Em 2008 concretizaram-se duas importantes aquisições a compra da Framingham na Nova Zelândia e a compra da empresa Chateau los Boldos no Chile.