Premiado
Selecção Fórum
TN Rui Reguinga Touriga Nacional
Tinto
2013
Dão
Preços
Sócio
22,80 Gfa
68,40 Cx
Não Sócio
24,00 Gfa
72,00 Cx
Vendido em cx de 3 gfa x (0,75l)
  • Notas de prova
  • Prémios
Cor granada escura. Aroma complexo, denso e muito equilibrado, fruta madura, notas de frutos negros e vermelhos, frutos secos, balsâmicas e de especiarias. Boca equilibrada e fresca. Frutado, bons taninos. Final longo, muito persistente e agradável.
Medalha de Ouro

Fórum de Enólogos

Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

16/18ºC

Teor alcoólico: 

13.50%vol

Longevidade: 

8 a 10 anos

Harmonizações: 

  • Assados de carne vermelha |
  • Caça |
  • pratos condimentados da cozinha tradicional portuguesa.

Situações de consumo: 

Com a refeição
Vinificação: 
Vindima manual. Fermentação em lagares. Maceração prolongada de 4 semanas, fermentação maloláctica em barricas. Estágio de 12 meses em barricas de Carvalho Francês Allier, e 12 meses em garrafa.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Touriga Nacional

Dão

collapse

A zona do Dão situa-se na região da Beira Alta, no centro Norte de Portugal. As condições geográficas são excelentes para produção de vinhos: as serras do Caramulo, Montemuro, Buçaco e Estrela protegem as vinhas da influência de ventos. A região é extremamente montanhosa, contudo a altitude na zona sul é menos elevada. Os 20000 hectares de vinhas situam-se maioritariamente entre os 400 e 700 metros de altitude e desenvolvem-se em solos xistosos (na zona sul da região) ou graníticos de pouca profundidade. O clima no Dão sofre simultaneamente a influência do Atlântico e do Interior, por isso os Invernos são frios e chuvosos enquanto os Verões são quentes e secos.

Na Idade Média, a vinha foi essencialmente desenvolvida pelo clero, especialmente pelos monges de Cister. Era o clero que conhecia a maioria das práticas agrícolas e como exercia muita influência na população, conseguiu ocupar muitas terras com vinha e aumentar a produção vitícola. Todavia, foi a partir da segunda metade do século XIX, após as pragas do míldio e da filoxera, que a região conheceu um grande desenvolvimento. Em 1908, a área de produção de vinho foi delimitada, tornando-se na segunda região demarcada portuguesa.

O Dão é uma região com muitos produtores, onde cada um detém pequenas propriedades. Durante décadas, as uvas foram entregues às adegas cooperativas encarregadas da produção do vinho. O vinho era, posteriormente, vendido a retalho a grandes e médias empresas, que o engarrafavam e vendiam com as suas marcas. 

Com a entrada de Portugal na CEE (1986) houve necessidade de alterar o sistema de produção e comercialização dos vinhos do Dão. Grande parte das empresas de fora da região que adquiriam vinho às adegas cooperativas locais, iniciaram as suas explorações na região e compraram terras para cultivo de vinha. Por outro lado, as cooperativas iniciaram um processo de modernização das adegas e começaram a comercializar marcas próprias, enquanto pequenos produtores da região decidiram começar a produzir os seus vinhos. As vinhas passaram também por um processo de reestruturação com a aplicação de novas técnicas vinícolas e escolha de castas apropriadas para a região.

As vinhas são constituídas por uma grande diversidade de castas, entre as quais a Touriga Nacional, Alfrocheiro, Jaen e Tinta Roriz (nas variedades tintas) e Encruzado, Bical, Cercial, Malvasia Fina e Verdelho (nas variedades brancas). Os vinhos brancos são bastantes aromáticos, frutados e bastante equilibrados. Os tintos são bem encorpados, aromáticos e podem ganhar bastante complexidade após envelhecimento em garrafa.

 

Fonte: Infovini

Observações dos produtores acerca deste vinho: 
Produzir um monocasta da mais emblemática casta portuguesa: a Touriga Nacional, e na região onde sempre demonstrou o melhor potencial qualitativo: no Dão, foi um dos objectivos que tinha como enólogo. A colheita de 2013 reuniu as condições para realizar este sonho. “Os mais hábeis na arte de sonhar são sem dúvida também os hábeis na arte de realizar seus sonhos!”

Rui Reguinga Enologia

collapse