Bacelo Novo Dão
Branco
2018
Dão
Preços
Sócio EnoClube
3,60 Gfa
43,20 Cx
Sócio EGC
3,80 Gfa
45,60 CX
Não Sócio
4,00 Gfa
48,00 Cx
Vendido em cx de 12 gfa x ()
  • Notas de prova

Cor amarelo esverdeada. Aroma muito limpo, citrino com ligeiro mineral. Na boca é fresco e equilibrado, notas de fruta verde e amarela. Final fresco e agradável.

Designação Oficial: 
D.O.C.

Temperatura de Serviço: 

10/12ºC

Teor alcoólico: 

12.50%vol

Longevidade: 

2 a 3 anos

Situações de consumo: 

Com a refeição
Entradas
Observações de consumo: 
Marisco, peixe ou saladas.
Vinificação: 
Após a prensagem das uvas inteiras, o mosto limpo é fermentado a 14ºC.
  • Castas
  • Região
  • Enólogo
  • Produtor

Encruzado

Malvasina Fina

Dão

collapse

A zona do Dão situa-se na região da Beira Alta, no centro Norte de Portugal. As condições geográficas são excelentes para produção de vinhos: as serras do Caramulo, Montemuro, Buçaco e Estrela protegem as vinhas da influência de ventos. A região é extremamente montanhosa, contudo a altitude na zona sul é menos elevada. Os 20000 hectares de vinhas situam-se maioritariamente entre os 400 e 700 metros de altitude e desenvolvem-se em solos xistosos (na zona sul da região) ou graníticos de pouca profundidade. O clima no Dão sofre simultaneamente a influência do Atlântico e do Interior, por isso os Invernos são frios e chuvosos enquanto os Verões são quentes e secos.

Na Idade Média, a vinha foi essencialmente desenvolvida pelo clero, especialmente pelos monges de Cister. Era o clero que conhecia a maioria das práticas agrícolas e como exercia muita influência na população, conseguiu ocupar muitas terras com vinha e aumentar a produção vitícola. Todavia, foi a partir da segunda metade do século XIX, após as pragas do míldio e da filoxera, que a região conheceu um grande desenvolvimento. Em 1908, a área de produção de vinho foi delimitada, tornando-se na segunda região demarcada portuguesa.

O Dão é uma região com muitos produtores, onde cada um detém pequenas propriedades. Durante décadas, as uvas foram entregues às adegas cooperativas encarregadas da produção do vinho. O vinho era, posteriormente, vendido a retalho a grandes e médias empresas, que o engarrafavam e vendiam com as suas marcas. 

Com a entrada de Portugal na CEE (1986) houve necessidade de alterar o sistema de produção e comercialização dos vinhos do Dão. Grande parte das empresas de fora da região que adquiriam vinho às adegas cooperativas locais, iniciaram as suas explorações na região e compraram terras para cultivo de vinha. Por outro lado, as cooperativas iniciaram um processo de modernização das adegas e começaram a comercializar marcas próprias, enquanto pequenos produtores da região decidiram começar a produzir os seus vinhos. As vinhas passaram também por um processo de reestruturação com a aplicação de novas técnicas vinícolas e escolha de castas apropriadas para a região.

As vinhas são constituídas por uma grande diversidade de castas, entre as quais a Touriga Nacional, Alfrocheiro, Jaen e Tinta Roriz (nas variedades tintas) e Encruzado, Bical, Cercial, Malvasia Fina e Verdelho (nas variedades brancas). Os vinhos brancos são bastantes aromáticos, frutados e bastante equilibrados. Os tintos são bem encorpados, aromáticos e podem ganhar bastante complexidade após envelhecimento em garrafa.

 

Fonte: Infovini

Boas Quintas

collapse

A Sociedade Agrícola Boas Quintas é um projecto pessoal do enólogo Nuno Cancela de Abreu iniciado em 1991, com o propósito de produzir "Vinho de Quinta" na nobre e renovada Região do Dão.
A filosofia que animou o nascimento desta sociedade, baseou-se na produção de vinhos de alta qualidade, com caracter acentuadamente Português. Acreditamos que as melhores castas regionais de que dispomos, quando bem adaptadas às condições ecológicas (clima, solo e práticas culturais) constituem uma das nossas maiores valias.
A Sociedade Boas Quintas está sediada na Vila de Mortágua, onde tem a sua pequena adega, paredes meias com a casa da família Cancela de Abreu, que cobre as caves de estágio, frescas e pouco iluminadas.
O testemunho inequívoco do respeito pela garantia de qualidade, está no rigor que nos impomos quanto à escolha dos vinhos para engarrafamento, nomeadamente na produção dos vinhos da Quinta da Fonte do Ouro Reserva e monovarietal de Touriga Nacional. Este último só é engarrafado em anos verdadeiramente excepcionais.